10 de fevereiro de 2017

Como desenvolver e implantar políticas éticas empresariais?

por Fernando de Almeida Santos

Na atualidade, muito se discutem questões éticas e problemas empresariais, mas é necessário ter políticas preventivas e ações efetivas para evitar processos jurídicos, desgaste de imagem e até perda de produtividade por falhas de conduta.

A primeira política preventiva é a construção e implantação de um código de conduta. Mas como desenvolver e implantar esse código? Para responder a essa questão, apresento a seguir os aspectos que devem ser considerados:

1 – Ser elaborado de maneira participativa: para tal, é importante que todos os funcionários participem. No caso das grandes empresas, se for inviável o envolvimento de todos, criar ferramentas que possibilitem a participação de profissionais de diversos cargos. Uma maior representação possibilita diferentes olhares e maior comprometimento dos agentes envolvidos.

2 – Estar em conformidade com a missão, a visão e os princípios da empresa: para isso, é muito importante que esses valores institucionais sejam difundidos.

3 – Ser retroalimentado: ou seja, de forma contínua, comunicar e garantir as políticas éticas, pois tais políticas não devem atender apenas a um período isolado. Devem ser divulgadas sempre e periodicamente revisadas.

4 – Contemplar todas as áreas internas: por exemplo, uma indústria não pode desenvolver políticas éticas para a área da Produção sem contemplar as áreas de Marketing ou de Recursos Humanos.

5 – Contemplar ambientes internos e externos: um exemplo, hoje, são as redes sociais, que podem conter publicações indevidas, denegrindo a imagem da instituição. Os colaboradores participam dessas redes e, muitas vezes, para a sociedade, são confundidos com a empresa. Logo, uma postura antiética, uma informação errada ou outras ações podem comprometer a imagem da organização toda.

6 – Atender a diferentes níveis hierárquicos: quanto mais alto na hierarquia, maior a obrigação em estar comprometido com as políticas éticas, destacando-se que o exemplo é fundamental.

7 – Atender a todos os agentes da cadeia produtiva: um supermercado, ao comprar produtos, deve dar preferência a empresas fornecedoras socialmente responsáveis ou que têm algum projeto social. Sem conhecer a origem, uma indústria corre o risco de ter sua imagem prejudicada ao adquirir produtos em cuja fabricação pode até haver utilização de mão de obra escrava.

Enfim, é importante considerar que a sociedade tem se transformado em uma velocidade muito grande, com diversas novas tecnologias. Essas tecnologias trazem muitos benefícios, como redução de custos e melhoria dos processos, mas com elas surgem, também, novos problemas, e a ética tem que ser uma preocupação constante. A legislação não consegue acompanhar essas mudanças, e a possibilidade de construir um código de conduta de forma dialogada, com os diferentes profissionais internos, para buscar a prevenção, evitando problemas de relacionamento, pode proporcionar melhor ambiente de trabalho e maior produtividade.

Tags: , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Fernando de Almeida Santos
    Fernando de Almeida Santos

    É pós-doutorando em Ciências Contábeis e doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), mestre em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, graduado em Ciências Contábeis e em Administração Pública pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), graduado em Administração de Empresas pelo Centro Universitário FIEO (UNIFIEO) e especialista em Avaliação Institucional, em Administração Financeira e em Educação a Distância. Professor universitário há 19 anos e pesquisador. Vice-conselheiro do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo (CRC-SP, Gestão 2014-2017) e Presidente do Rotary Club SP Jaguaré (Gestão 2014-2015). Coautor do livro Contabilidade com ênfase em micro, pequenas e médias empresas e autor do livro Ética empresarial políticas de responsabilidade social em 5 dimensões, Contabilidade de Custos - Gestão em Serviços, Comércio e Indústria, ambos publicados pelo GEN | Atlas.