10 de setembro de 2019

Dúvidas sobre o CPC 01? Confira detalhes sobre o teste de recuperabilidade

por José Carlos Marion

O Teste de Recuperabilidade, também conhecido como teste de Impairment, faz parte de uma das alterações da Lei 11.638/07. Por meio da CPC 01, este teste é realizado para checar se determinada empresa contém ativos de longo prazo, que estejam contabilizados por um valor que possa ser recuperado, tanto por meio de venda ou de uso.

De acordo com o CPC 01, “o objetivo deste Pronunciamento Técnico é estabelecer procedimentos que a entidade deve aplicar para assegurar que seus ativos estejam registrados contabilmente por valor que não exceda seus valores de recuperação”.

O teste de recuperabilidade ajuda a descobrir quanto valem o seus ativos e qual é o valor recuperável dos mesmos. Ele também responde a questões importantes, como: “quanto esse ativo (ou unidade geradora de caixa) irá valer se for colocado a venda?” ou “Após utilizá-lo e, com o passar do tempo, esse valor continuará sendo o mesmo?”.

Quando o teste de recuperabilidade é feito?

Apesar de não ter uma data fixa ou pré-estipulada, a recomendação é que o teste deva ser aplicado pelo menos uma vez por ano. Essa sugestão se baseia na rotina contábil, que já conta com a realização de demonstrações contábeis ano a ano. Logo, realizar o balanço anual é uma oportunidade adequada para averiguar a ocorrência de ativos que podem representar uma perda financeira considerável para a empresa.

Como calcular o teste de recuperabilidade?

Os principais indicadores para o cálculo do teste são a obsolescência, reestruturação ou venda parcial de um ativo e performance econômica pior do que a esperada, segundo a Lei Nº. 11.638/07. Logo, se houver algum desses indicativos, o teste de impairment deve ser aplicado, a fim de estimar o valor recuperável da sua perda.

De acordo com o Portal de Contabilidade, para realizar o cálculo, é necessário encontrar o Valor Recuperável do ativo, já que o Valor Contábil já está registrado. Basta seguir os passos a seguir:

  • Determinar o valor contábil líquido do bem;
  • Determinar o valor recuperável do bem;
  • Fazer uma comparação entre o valor contábil e o valor recuperável (Pelo valor líquido de venda e pelo valor líquido de uso).

Saiba mais sobre o CPC 01 e o teste de recuperabilidade

Se você busca aprofundamento no tema, conheça o Curso IFRS na Prática, com os melhores e maiores nomes da área no Brasil!

Com Sérgio de Iudícibus, José Carlos Marion e Ricardo Rios, este curso aborda o CPC 01 – Teste de Recuperabilidade de Ativos e cita os pontos mais críticos para estudantes e profissionais.

Curso Online - IFRS - Temas Atuais na Prática

Os professores falam sobre a importância do teste de recuperabilidade — com exemplos práticos de como fazer o teste —, que precisa feito sempre que houver indícios de que os valores dos ativos não são recuperáveis economicamente e para todos os tipos de empresas.

Como bônus, o curso traz um bate-papo imperdível, de 1h30, entre Iudícibus, Marion e Rios, e ainda debate o tema O IFRS e a realidade brasileira: a implantação da IFRS, suas consequências, seu contexto no país.

No módulo 2, você saberá tudo sobre o teste de recuperabilidade de ativos e o CPC 01. Veja os tópicos que serão abordados:

Módulo 2 – Teste de recuperabilidade de ativos – CPC 01

 

  • Contexto/conceitos/objetivos;
  • Indicadores internos e externos;
  • Valor recuperável – aplicação do teste;
  • Cálculo do valor em uso;
  • Taxa de desconto;
  • Resultado do teste;
  • Tratamento da perda;
  • Reversão da perda;
  • Unidade geradora de caixa;
  • Resumo;
  • Caso prático.

Que tal degustar o curso? Clique aqui para saber mais!

Gostou de saber mais sobre o teste de recuperabilidade? Então não se esqueça de assinar nossa Newsletter para receber dicas no seu e-mail!

LEIA TAMBÉM

Tags: , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • José Carlos Marion
    José Carlos Marion

    É mestre, doutor e livre-docente em Contabilidade pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/ USP). É professor e pesquisador do Mestrado em Contabilidade na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Dentre os 29 livros publicados na área contábil, é autor de Contabilidade rural, Contabilidade empresarial e Contabilidade básica e coautor de Curso de contabilidade para não contadores, Contabilidade avançada, Introdução à teoria da contabilidade, Contabilidade comercial, Administração de custos na agropecuária, Manual de contabilidade para pequenas e médias empresas, Contabilidade geral para concurso público, Contabilidade da pecuária e Normas e práticas contábeis, publicados pelo GEN | Atlas.