25 de março de 2020

Definição de missão de uma empresa: por que ela é tão importante?

por Murilo Alvarenga Oliveira

A definição de missão de uma empresa, assim como a declaração da visão e a identificação dos propósitos e valores, não é tarefa fácil. Exige muito esforço por parte dos gestores, mas, mesmo assim, muitas declarações são realizadas sem a objetividade que deveriam ter. Assim como os demais componentes que formam as diretrizes estratégicas, a missão deve ser difundida na organização e, constantemente, repetida junto aos funcionários e demais envolvidos.

Em conjunto com os demais elementos das diretrizes, deve servir de inspiração para todos, a fim de que caminhem em uma direção única. Para tanto, as declarações de propósito, missão, visão e valores devem ser sucintas, simples e fáceis de serem entendidas. São frases curtas, com mensagens desafiadoras, de fácil memorização e aceitação. A declaração de missão (além do propósito, visão e valores) ajuda a alta gestão de cinco formas:

  • Cristaliza a visão dos administradores em relação à posição estratégica da empresa no longo prazo.
  • Ajuda que funcionários tenham seu comportamento orientado para a realização da missão corporativa.
  • Transmite mensagem para todos os demais stakeholders sobre os caminhos da empresa.
  • Ajuda a garantir a confiança institucional.
  • Possibilita uma visão estratégica de longo prazo.

Definir a missão da empresa é algo penoso e que demanda tempo, todavia, somente com uma boa definição é que a organização consegue definir suas políticas e estratégias, a fim de alocar corretamente os recursos em direção a seus objetivos. A definição de missão não se restringe à diferença entre receita e lucro. “O lucro não é a explicação, a causa ou o fundamento único das decisões e atitudes da organização, e sim seu teste de validade.”  Mas, o que é uma
missão? Destaca-se algumas definições:

  • Declaração de longo prazo do que a organização que ser e a quem quer servir.
  • Também é considerada como o propósito que diferencia uma empresa de outra do mesmo tipo, identificando a abrangência de suas operações em relação aos seus produtos e mercados.
  • Pode ser entendida como aquilo que a organização quer se tornar, estabelecendo seu futuro, respondendo às perguntas: quem somos? O que fazemos? Aonde vamos?
  • Uma declaração que descreve os objetivos fundamentais do negócio.

Apesar de encontrar na literatura diversas definições, pode-se resumir que a missão de uma organização é a “descrição de seu produto, seu mercado e sua tecnologia de um modo que reflita seus valores e as prioridades que norteiam suas decisões estratégicas”.

Não confunda missão e propósito!

 

Ambos os conceitos estão intimamente ligados, todavia, enquanto a missão define os objetivos, produto, mercado,
tecnologia na qual a organização está inserida e sua razão de existir, o propósito está vinculado a POR QUE a
organização realiza tais movimentos e QUAL o motivo de sua existência.

No entanto, considerando que a missão tem ligação íntima com o negócio da organização, quais seriam as questões reflexivas que deveriam ser respondidas para construir a missão? Podem-se elencar seis principais:

  • Qual o negócio da organização?
  • Quem é seu cliente?
  • Onde ela tem sua base de atuação?
  • Qual a sua vantagem competitiva?
  • Qual a sua contribuição social?

Definição de missão de uma empresa: porque ela é tão importante?

Considerando o que se aprendeu sobre a definição de missão é possível perceber, conforme a declaração de cada organização citada, como exemplo no quadro anterior, sua proposta de negócios, objetivos e sua razão de existir. Vejamos:

Ultragaz: é possível perceber na declaração que suas decisões estratégicas são norteadas pelo vetor da excelência operacional (portanto, uma organização voltada para a eficiência), com diretriz no crescimento e sustentabilidade financeira. Foco na qualidade e segurança, pois possui um produto de alta periculosidade.

Bradesco: uma empresa com foco no mercado financeiro e com estratégia direcionada em gerar produtos e serviços para este mercado. Seu objetivo está em gerar valor para seus acionistas e para a sociedade, todavia, perceba que o valor para o acionista aparece antes da sociedade. Neste contexto, podemos inferir que a prioridade estratégica da empresa está no acionista.

Grupo Abril: declara que seu principal produto é a difusão da informação, cultura e entretenimento. Note que não está declarado que é uma gráfica ou que produz somente revistas. Sua razão de existir está em “desenvolver a livre iniciativa e o fortalecimento das instituições democráticas no Brasil”.

Magazine Luiza: apresenta uma declaração de missão bem objetiva, que busca a competitividade e a inovação. Sua razão de existir está em promover o bem comum.

Missão e propósito

 

Perceba que a razão de existência declarada na missão do Magazine Luiza é “visar sempre o bem-estar comum”.
O motivo de sua existência, (propósito), segundo sua fundadora, Luiza Trajano, é o de gerar empregos. Missão e propósito estão em sinergia, haja vista que a geração de empregos pode acarretar inclusão socioeconômica, proporcionando melhoria da qualidade de vida e gerando o bem-estar.

Apesar dos conceitos apresentados, é fato que o leitor irá se deparar com diferentes formas de declaração de missão e visão. Muitas delas são carregadas de clichês e outras confundem visão com missão. Todavia, independentemente do formato da declaração, é fato que não haverá credibilidade nem engajamento, se o discurso não for seguido pela prática, principalmente por parte dos gestores.

Mais conteúdo no livro Administração Estratégica

Quer saber mais sobre temas relacionados? Assine nossa Newsletter e receba mais informações no seu e-mail!

LEIA TAMBÉM:

 

Tags: , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Murilo Alvarenga Oliveira
    Murilo Alvarenga Oliveira

    É professor Associado do Departamento de Administração e Administração Pública da Universidade Federal Fluminense (Pólo Universitário de Volta Redonda) ICHS/UFF. É coordenador do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu no Mestrado Profissional em Administração (MPA-PPGA-UFF-VR). É membro da Academy of Management (AoM) e da Teaching Society for Management Educators (OBTS). Sua produção tem ênfase em Administração de Empresas, atuando principalmente nos seguintes temas: jogos de empresas, simulações organizacionais, gestão de projetos, processo decisório e capacidades de inovação.