6 de julho de 2020

As diferenças, relações e similaridades entre Employee Experience, Employee Engagement e Employer Branding

por Roberto Madruga

Chamarmos as práticas pelos nomes certos auxilia a criação de uma cultura voltada para o desenvolvimento de competências. A cultura Employee Experience (EX) auxilia nas vivências dos colaboradores ao longo de sua jornada nas organizações, para que tenham mais significado para as duas partes, seja em processos de seleção, onboarding, treinamento, avaliação, feedback e muitos outros.

Minha definição para Employee Experience é:

Employee Experience (EX) é o conjunto das experiências e emoções que os colaboradores acumulam, ao longo do tempo, durante toda sua jornada e em todos os micromomentos na empresa, como, por exemplo, recrutamento, seleção, onboarding, treinamento, avaliação de desempenho, metas, feedback e encarreiramento. Em paralelo, as empresas buscam desenvolver e aplicar estratégias, métodos e ferramentas de Employee Experience para que as experiências dos colaboradores se traduzam em emoções positivas e também em resultados para a organização. Employee Experience é uma importante estratégia corporativa que visa tornar a experiência de funcionários e parceiros realmente relevante, participativa e decisiva, promovendo assim seu engajamento, satisfação e aumento espontâneo de produtividade.

Para que isso ocorra, são levados em consideração as necessidades das pessoas na empresa, suas expectativas, o ambiente de trabalho, a cultura organizacional e o conjunto de estratégias e práticas realizadas pela organização para lidar com tudo isso, conforme imagem a seguir.

As diferenças, relações e similaridades entre Employee Experience, Employee Engagement e Employer Branding

EX considera as necessidades e expectativas; o ambiente e cultura organizacional; conjunto de estratégias e práticas realizadas pela organização.

O Employee Engagement (EE) é um componente imprescindível para viabilizar as estratégias de EX e pode resultar em números surpreendentes. Funcionários altamente engajados geram melhores resultados, mais lealdade por parte dos clientes e melhor desempenho financeiro.

O engajamento do funcionário é mola propulsora dos resultados de qualquer empresa. Nas pesquisas realizadas pela ConQuist, vendedores com baixo engajamento em relação à empresa que trabalham tendem a vender 20% a menos que o colega que está motivado com a firma.

Pesquisadores da Fundação Instituto de Administração (FIA), da Universidade de São Paulo, vêm cruzando a rentabilidade das melhores e maiores empresas listadas pela no Guia VOCÊ S/A – As Melhores Empresas para Você Trabalhar. As melhores classificadas apresentam rentabilidade 37% superior àquelas que ficaram de fora da lista. Os pesquisadores concluíram que há uma forte relação entre rentabilidade da empresa e a sua capacidade de reter talentos. Empresas com maior engajamento das equipes apresentam turnover anual 50% menor também.

Uma pesquisa apresentada pela Gazeta digital realizada pelo Hay Group descobriu que funcionários altamente engajados melhoram o desempenho dos negócios em até 30%. Esse número é realmente surpreendente. Outro dado interessante é que funcionários totalmente comprometidos têm 2,5 vezes mais chances de ultrapassar as expectativas de desempenho do que seus colegas menos engajados. Além disso, organizações que engajam e apoiam seus colaboradores obtêm uma redução de 54% em demissões voluntárias, fazendo cair o turnover drasticamente.

Ao compararmos empresas com alto nível de engajamento com aquelas com baixo, percebemos ainda mais indicadores de sucesso, conforme pesquisa a seguir.

As diferenças, relações e similaridades entre Employee Experience, Employee Engagement e Employer Branding

Por trás desses resultados geniais reside uma metodologia de efeito imediato: o Employee Engagement, que, como o nome fala por si. Minha definição é:

Employee Engagement é um conjunto de estratégias e táticas aplicadas pelas corporações para viabilizar o sucesso do Employee Experience, isto é, engajar as pessoas com aquilo que fazem de melhor, com os resultados almejados, conectá-las entre si e com os propósitos da empresa, formando um verdadeiro time de alto desempenho. O comprometimento emocional gerado pela aplicação do Employee Engagement é direcionado para conectar os funcionários às estratégias e às metas da corporação.

Não podemos confundir engajamento com nível de felicidade. Um funcionário pode estar extremamente contente com seus colegas de trabalho, com os benefícios fornecidos pela empresa, mas desejando mal a ela e detonando o chefe.

Por outro lado, de que adianta uma empresa que respeita seus colaboradores, promove um ambiente acolhedor e executa ações para a satisfação deles, mas não consegue selecionar a pessoa certa? Grande perda de energia! Muitas dessas organizações falham no momento de atrair talentos.

O Employer Branding, como uma resposta a esse desafio vem crescendo no Brasil. Basta observarmos antigos sites que se transformaram em portais de carreiras para favorecer o Employer Branding. Os sites de carreira estão desempenhando um papel integrador como um ponto de entrada centralizado e de sucesso para os candidatos. Trata-se de uma plataforma para compartilhar informações honestas sobre a cultura, responsabilidades de função, oportunidades de desenvolvimento, benefícios e convênios.

Por isso, é muito comum encontrarmos em seu conteúdo a cultura da empresa, a história dos negócios, questões de inclusão social, depoimento dos fundadores, depoimento de funcionários bem-sucedidos, novas vagas, descrição de funções etc.

O Employer Branding é a união entre Marketing e Talentos Humanos para atrair as pessoas certas, engajá-las e aumentar o senso de pertencimento desde o processo de recrutamento e seleção, demonstrando para elas e para o mercado critérios consistentes, como, legalidade, transparência, justiça e equidade no ato de atrair e de cuidar de talentos.

Quando isso ocorre, a possibilidade de gerar benefícios para a empresa e para os colaboradores é enorme. Veja a lista de benefícios que preparei.

As diferenças, relações e similaridades entre Employee Experience, Employee Engagement e Employer Branding

Minha definição para Employer Branding é:

Employer Branding é uma estratégia poderosa para favorecer a experiência de quem está se candidatando a trabalhar na empresa e também de quem trabalha nela, executada por meio de inciativas que valorizam a experiência dos candidatos, da sua rede de influência e também dos funcionários da empresa em vários pontos da sua jornada. O Employer Branding é, sem dúvida alguma, um componente chave para o sucesso do Employee Experience. O Employer Branding, assim como os demais tipos de branding, diz respeito à construção de marca, porém, a marca do empregador.

Employee Experience, Employee Engagement e Employer Branding são, portanto, metodologias complementares que quando praticadas por profissionais especializados e experientes geram grandes resultados.

FONTE: CONQUIST

Mais conteúdo no livro Gestão do relacionamento e customer experience

newsletter

LEIA TAMBÉM

 

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Roberto Madruga
    Roberto Madruga

    Referência nacional como Consultor, Coach, Palestrante e Escritor premiado, reconhecido por sua multidisciplinaridade, experiência prática e criação de métodos estruturados com foco em resultados. Mestre em Gestão Empresarial, Pós-graduado em Marketing, Pós-graduado em Educação, Pós-graduado em Gestão de Recursos Humanos, Pós-graduado em Gestão Estratégica e Qualidade, Master em Programação Neurolinguística – PNL pela International Association of NLP Institutes, Coach Executivo e Coach de Carreira certificado pela ICI – International Association of Coaching Institute. Professor dos MBAs da FGV, PUC, UFRJ e IBMEC. Diretor de Consultoria e Educacional da ConQuist com projetos desenvolvidos para mais de 200 empresas no Brasil e exterior. Conheça melhor o autor: www.conquist.com.br/roberto-madruga