12 de julho de 2018

Empresário: dignidade do título resgatada pela contabilidade

por Alberto Manoel Scherrer

Lendo e relendo notícias sobre contabilidade em jornais e revistas, assistindo à TV, ouvindo rádio, conectado à internet… enfim, “plugado” aos veículos de comunicação, acompanhando notícias vinculadas à economia, tenho constatado que uma das causas da lentidão do Brasil em decolar economicamente, de forma definitiva, para voos mais altos é o mau uso desse título “empresário” (pomposo e sutil).

Para ser empresário não basta ter ou administrar uma empresa, como consta de alguns dicionários. É preciso incorporar o real sentido da expressão. Se esta (expressão) alcança a quem administra, pode-se também incluir nesse rol os chamados “homens públicos”.

A pujança da economia de uma nação depende do funcionamento orgânico de todas as atividades; requer harmonia dos interesses, sem perder a característica de ensejar lucros individuais, seja em relação às empresas ou às pessoas físicas.

As relações espúrias de alguns empresários do setor privado com o poder público, tão noticiado pelos meios de comunicação, têm abarrotado o Poder Judiciário, tornando-o ainda mais moroso, pois tenta-se utilizar de algumas possíveis “brechas” da legislação para burlá-la, em detrimento de quem quer que seja.

Não se pode conceber que alguns, ostentando o título de empresário, cometam tantos desatinos administrativos, como se isso fosse ficar eternamente impune. É preciso punir exemplarmente os que, escondendo-se sob o manto quase sagrado do título aqui tratado, praticam atrocidades econômicas, em um egocentrismo exacerbado, na tentativa de dar formato de legalidade às imoralidades.

Evidentemente que é necessário a existência daqueles que agem corretamente, dos que não sucumbem à “deterioração” do termo. Estes, além de serem preservados, devem se postar como verdadeiros guerreiros, no sentido de impedir o acesso dos oportunistas ao status quo do título.

Quanto às determinações legais, não se pode haver tamanha “flexibilização” fiscal; há a necessidade urgente de facilitar a convivência do espectro arrecadador com os pagadores de tributos, exigindo-lhes demonstrações contábeis sólidas e coerentes com os princípios próprios da ciência contábil. É fundamental que os contadores, cada vez mais, sejam qualificados para as atividades afins.

Sendo a Contabilidade uma ferramenta imprescindível às atividades do gestor, não se pode (ou não se deve) substituí-las por formas de controle de cunho somente fiscal. Modernizar as relações do empresário com o Fisco não implica dispensar técnicas contábeis, únicas capazes de relatar com propriedade, segurança, transparência, lógica e abrangência, os atos praticados e apontar tendências do modus operandi empresarial.

Ser empresário é, acima de tudo, ter consciência de sua responsabilidade social, por entender que a sociedade é a que dá “vida” à empresa. Aos demais, aventureiros e desonestos, que se lhes denominem “traças do mercado”, impingindo a eles tratamento próprios aos insetos.

Por fim, mediante tais observações, é consistente afirmar que, servindo-se da Contabilidade e assessorados por profissionais competentes e comprometidos com a ética nos negócios, o “título de empresário” será erguido aos píncaros profissionais e ali sustentados.

Para finalizar, indico um dos meus livros sobre a área contábil, Contabilidade Imobiliária, como uma boa sugestão de leitura para quem tem necessidade ou interesse em se aprofundar na área.

 

Gostou do texto? Não se esqueça de assinar nossa Newsletter para receber mais informações no seu e-mail!

LEIA TAMBÉM

Tags: , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Alberto Manoel Scherrer
    Alberto Manoel Scherrer

    É professor executivo junto à Fundação Getulio Vargas (FGV), programa de pós-graduação (lato sensu) em Administração, atuando no módulo de Contabilidade Geral, na unidade de São José dos Campos (SP), conveniada Conexão Desenvolvimento Empresarial. É também professor de Contabilidade Geral, Contabilidade de Custos, Contabilidade Avançada e Perícia Contábil junto à Faculdade Anhanguera de São José dos Campos. Mestre em Planejamento e Desenvolvimento Regional, pós-graduado (lato sensu) em Gestão Contábil e bacharel em Ciências Contábeis. Consultor empresarial. Autor dos livros Contabilidade imobiliária: abordagem sistêmica, gerencial e fiscal e Como interpretar as questões do exame do CFC, publicados pelo GEN | Atlas.