3 de outubro de 2019

Ensinar Economia a partir de exemplos tirados da realidade brasileira

por GEN.N&G

Uma das grandes dificuldades que enfrentam os não economistas reside na dificuldade em relacionar os conceitos da Ciência Econômica com a realidade brasileira. Trata-se de um desafio que também se coloca aos professores, particularmente nos custos de Administração de Empresas e de Direito. Existem, entretanto, inúmeros exemplos presentes na realidade brasileira e que podem contribuir para uma melhor compreensão dos conceitos econômicos. A seguir, listo alguns desses exemplos:

O Plano Cruzado e o congelamento de preços e salários

 
O Plano Cruzado, adotado no ano de 1986, adotou o congelamento de preços e salários na economia com o intuito de acabar com a inflação. Nos primeiros meses, ele foi bem sucedido. Porém, com a manutenção do congelamento, alguns produtos começaram a faltar nas prateleiras dos supermercados. O caso mais emblemático foi o da carne. Os pecuaristas argumentaram, na época, que o preço congelado não cobria os custos de produção. Como resultado do congelamento da carne, houve um excesso de demanda o que fez com que o produto desaparecesse no mercado. Esse exemplo serve para mostrar que, quando o preço é congelado abaixo do equilíbrio, onde a demanda não é atendido pela oferta.

Os carros chineses no Brasil

 
Na última década, várias marcas de carros fabricados na China passaram a fazer parte do mercado de automóveis no Brasil. Esse fato serve para mostrar que, mesmo em estruturas de oligopólio, é possível elevar a concorrência, seja pelas importações ou pela implantação de indústrias estrangeiras no país. O caso serve ainda para mostrar como uma economia pode se desenvolver adotando estratégias junto ao mercado internacional. No caso da China, a estratégia foi à criação de indústrias de alta tecnologia voltadas para a exportação. No caso do Brasil, a industrialização se deu com ênfase no limitado mercado interno.

A alta demanda por commodities no mercado internacional

 
A partir do início do século XXI, houve um expressivo aumento nos preços de inúmeras commodities no mercado internacional em decorrência da forte demanda chinesa. Esse país, ao experimentar altas taxas de crescimento do PIB, elevou a qualidade da alimentação da sua população. Criou-se assim, demanda para soja, açúcar, frango etc., o que beneficiou a economia brasileira. Esse exemplo serve para ilustrar os impactos da elevação da demanda sobre o preço de equilíbrio de mercado. Também serve para definir o conceito de commodities.

As sacolas plásticas na cidade de São Paulo

 
A partir da implantação da lei municipal no. 15.374/2011, a cidade de São Paulo passou a padronizar as sacolas plásticas utilizadas pelo comércio varejista. Essa padronização foi efetivada a partir da utilização de duas cores para essas sacolas: a verde, destinada ao descarte de produtos recicláveis, e as cinzas, destinadas aos produtos orgânicos. Essa medida, além de conscientizar a população sobre o problema ambiental dos plásticos, estimulou o hábito da reciclagem na cidade. Ao receber as sacolas em um supermercado, o consumidor as reutiliza para o descarte consciente. Esse exemplo mostra como uma externalidade negativa (poluição) pode ser minimizada a partir da adoção de uma legislação inteligente. Também serve como exemplo de como se pode, via regulação, reduzir os efeitos negativos das imperfeições de mercado.

Os medicamentos genéricos no Brasil

 
Grande parte dos medicamentos possui baixa elasticidade-preço da demanda. O caso é mais grave para àqueles necessários ao tratamento de doenças crônicas. Um dos fatores que explica a baixa elasticidade-preço da demanda é a ausência de substitutos no consumo. Com a adoção do conceito de genéricos e similares no Brasil, o consumidor de medicamentos passou a ter a opções com os substitutos, com preços menores. Esse exemplo pode ser utilizado tanto no conceito de elasticidade, como no de bens substitutos. Serve ainda para mostrar como a regulação dos mercados pode estimular a concorrência na economia, com benefícios não apenas para os consumidores, mas para novas firmas.

Quantas moedas o Brasil teve desde a sua independência? E quantas teve os EUA?

 
A estabilidade institucional de um país tem forte impacto sobre o seu crescimento de longo prazo. Considerando o padrão monetário como uma instituição, o caso brasileiro é emblemático. Foram nove moedas criadas desde a sua independência. Já os EUA tiveram apenas uma moeda em sua história como país independente: o Dólar. Esse exemplo serve para mostrar a importância de instituições estáveis para o crescimento econômico. Serve também para mostra o quão é difícil a criação de uma moeda, principalmente quando o Governo apresenta frágil comprometimento com o controle da inflação.

Esses casos demonstram que a Economia Brasileira apresenta um amplo conjunto de situações podem ser utilizados em sala de aula. Esses e outros exemplos são considerados no meu livro Princípios de Economia: Abordagem didática e multidisciplinar, publicado pela Editora Atlas/Gen. O objetivo do livro consiste em motivar os alunos, inclusive em cursos de pós-graduação lato sensu, a buscarem a compreensão de vários conceitos teóricos que fazem parte da Ciência Econômica.

Texto: Márcio Bobik Braga

Mais conteúdo no livro Princípios de Economia

 

Gostou de saber mais sobre a economia na realidade brasileira? Não se esqueça de assinar nossa Newsletter para receber mais informações no seu e-mail!

LEIA TAMBÉM

Tags: , , , , , , ,
  • GEN.N&G
    GEN.N&G

    O GEN.NEGÓCIOS & GESTÃO é um portal independente criado com o objetivo de fornecer conteúdo de autores renomados nas áreas de Administração, Contabilidade, Economia, Educação e Finanças. Desta forma, estudantes, professores e profissionais encontrarão no portal uma fonte de conhecimento. As publicações são compostas por artigos, notícias, entrevistas, e diversos conteúdos para atualização acadêmica e profissional. O GEN.NEGÓCIOS & GESTÃO é uma iniciativa da Editora Atlas - GEN | Grupo Editorial Nacional.