21 de agosto de 2020

Estratégias para Investir em Ações no Mercado à Vista

por Juliano Pinheiro

Se você está pensando em planejar estratégias para investir em ações, deve saber que negociações de ações no mercado podem ser realizadas de duas formas: à vista e a prazo. As operações à vista são aquelas em que os negócios são realizados e liquidados à vista. Representa o conjunto de operações de compra das ações negociadas em bolsa a preços estabelecidos em pregão. As operações a prazo são aquelas realizadas para liquidação em data futura. Ou seja, as duas formas diferem substancialmente pelo prazo de liquidação acordado.

No Mercado à vista, as forças de oferta e demanda dão origem aos preços dos ativos no pregão. Quando uma negociação é realizada, cabe ao comprador enviar o valor pago e ao vendedor fornecer o título-objeto da negociação em D+3, ou seja, no terceiro dia útil após a realização do negócio.

Se a sua intenção é estabelecer uma estratégia para investir em ações no mercado à vista, são necessários entendimentos prévios fundamentais para o êxito das operações. O primeiro passo é compreender por que se compram ou vendem ações.

Por que comprar Ações?

 
Normalmente, um investidor adquire ações com o objetivo de obter um ganho. Esse ganho poderá ser proveniente da propriedade ou da comercialização das ações.

Ao nos tornarmos sócios de uma empresa, passamos a ter direito à parte do lucro da empresa que é dividido aos acionistas, como dividendos, juros de capital próprio e bonificações, além dos direitos de subscrição.

Já como comerciantes, podemos ganhar em função da eventual valorização do preço das ações resultante de atos e fatos relacionados ao desempenho da empresa e de suas perspectivas futuras.

Por que vender Ações?

 
Uma ação normalmente é vendida quando o investidor avalia que suas perspectivas a médio e longo prazos são relativamente menos favoráveis em comparação a outras ações ou mesmo outras alternativas de investimento.

Além disso, um investidor vende ações para obter liquidez, isto é, para convertê-las em dinheiro, que será utilizado na aquisição de novos títulos ou em outro destino qualquer.

Estratégias para investir em ações: Não cometa estes erros!

 
Antes de começarmos a definir estratégias para investir em ações, é muito importante desmistificar algumas crenças e atos que mais resultam em perdas no mercado de ações.

  1. Investir sem objetivo;
  2. Investir sem entender como funciona o mercado;
  3. Investir dinheiro que você vai precisar no curto prazo.
  4. Associar a Bolsa a um cassino;
  5. Ir atrás de “dicas quentes”.

Para evitar que isso ocorra, minhas sugestões são:

Invista com objetivos definidos

 
Não deixe que a emoção se transponha à racionalidade. Ao comprar uma ação, planeje uma meta de ganhos e defina prazos. Sem foco, qualquer resultado pode ser considerado válido.

Estude o Mercado de Ações

 
O Mercado representa as forças de oferta e demanda. Outra vez, não deixe que a emoção domine a razão, portanto, não pense que o Mercado está errado. Ele é apenas uma força reguladora e, para ter sucesso, é preciso estudá-lo.

Invista dinheiro que não será necessário a curto prazo

 
Nada de investir o montante necessário para pagar as contas mensais! Se o investidor deposita na ação os recursos de que precisará a curto prazo, corre o risco de sofrer perdas. Isso porque o montante sacado antes da data acordada sofre descontos.

Entenda a Bolsa de Valores

 
A Bolsa de Valores B³ não é um cassino e nem uma loteria. Não pense, portanto, que a saúde de seus investimentos depende de sorte. Prefira estudar o comportamento da Bolsa e entender sua lógica.

Procure ajuda de um profissional

 
Para se livrar dos investimentos que não surtem resultado e aumentar suas chances de sucesso, o ideal é buscar um consultor. Esse profissional poderá orientar seus movimentos e ajudar a encontrar as melhores soluções.

Quais são as principais estratégias para investir em ações no mercado à vista?

 
Os dois tipos principais de estratégias para investir em ações no mercado à vista são: Buy and Hold e Trading.

Buy and Hold

 
A partir dos fundamentos das empresas, os investidores escolhem ações de boas empresas e as mantêm por um longo prazo. A expectativa é obter fluxo futuro de rendimentos proveniente da distribuição de proventos, por exemplo, dividendos, juros de capital próprio e bonificações, além dos direitos de subscrição.

Como principais vantagens dessa estratégia temos:

  1. menor risco da operação, pois normalmente são feitas com ações de empresas bem estabelecidas e de bom desempenho econômico-financeiro;
  2. menor dispêndio de tempo para acompanhar o mercado.

Trading

 
O objetivo principal dessa estratégia é obter ganhos com a eventual valorização da ação. Ou seja, adquire-se as ações por determinado preço, na expectativa de que, em um curto espaço de tempo, elas irão se valorizar.

Nessa estratégia existe uma exposição ao risco maior por parte do investidor e um maior acompanhamento do mercado. Sua execução se dá através de operações de Day Trade (as compras e vendas ocorrem no mesmo dia), Swing Trade (as compras e vendas ocorrem, geralmente, em semanas) e Position Trade (as compras e vendas ocorrem geralmente, em meses).

FONTE: JULIANO PINHEIRO

Mais conteúdo no livro Mercado de Capitais

newsletter

LEIA TAMBÉM

 

Tags: , , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Juliano Pinheiro
    Juliano Pinheiro

    Juliano Lima Pinheiro É Doutor e Mestre em investimentos e mercado de capitais, professor e palestrante. Ao longo de mais de 30 anos de uma trajetória profissional abrangente, Juliano Pinheiro passou pela vivência prática como executivo em instituições financeiras e gestoras de investimento, como conselheiro em instituições representativas de mercado como Anbima e Apimec, e também pela área de ensino e pesquisa acadêmica atuando em cursos de MBA, doutorado, mestrado e graduação do Ibmec, FDC, PUC e UFMG. De 2007 a 2018, montou e foi o Diretor de Gestão da Fiere Investimentos, uma Gestora de Recursos, gerindo fundos de investimento e administrando carteiras para clientes. Detentor da Medalha Economista Paulo Camilo de Oliveira Pena em 2013, Juliano é referência na área de Mercado Financeiro e Mercado de Capitais. Atualmente é Vice Presidente Executivo do IBEF-MG, leciona na UFMG nos cursos de graduação e pós-graduação do Departamento de Ciências Contábeis e realiza palestras por todo o Brasil.