11 de agosto de 2020

Congresso USP faz homenagem aos autores de “Manual de Contabilidade Societária”. Confira!

por Eliseu Martins

Na abertura do CONGRESSO USP DE CONTABILIDADE DE 2020 houve uma homenagem aos autores do livro Manual de Contabilidade Societária.

Inicialmente o Prof. Nelson Carvalho leu um trecho cujos excertos estão abaixo. Em seguida houve duas apresentações musicais inéditas nesse tipo de evento.

Leia e ouça:

PROF. NELSON: “A contabilidade brasileira era simplesmente lastimável: por exemplo, nem existia demonstração do resultado e nem de resultados acumulados: eram juntadas numa única, denominada Demonstração de Lucros e Perdas dificílima de ser entendida.

No início da década de 60 os Profs. Boucinhas, Alkindar, Sergio de Iudicibus promovem a revolução no ensino da contabilidade, passando à metodologia norte-americana de educação contábil e de visão da contabilidade. Nascem e crescem, agora sob a liderança do Prof. Sérgio, a Contabilidade Introdutória e a nova visão contábil. Por muitos anos só a FEA ensinava e escrevia assim. Consolidação, equivalência, Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos e outros eram assuntos praticamente ensinados só nessa Escola.

Em 1976, toda a filosofia contábil norte-americana é colocada na nova Lei das S/A, com o Contador Manoel Cruz fazendo sua parte contábil. E é criada também a CVM – Comissão de Valores Mobiliários. E alguns meses depois, início de 1977, a Diretoria da CVM procura a FIPECAFI dizendo que éramos os únicos capazes de disseminar a contabilidade da nova Lei. E com isso a CVM financiou a criação do então Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações, com a frente composta pelos Profs. Sérgio de Iudícibus, Eliseu Martins e Ernesto Gelbcke, então jovens…..

E assim se implantou a primeira grande revolução contábil no Brasil. Continuou a evolução da contabilidade com as novas normas da CVM e também do CFC, mas com as limitações da Lei e as fiscais. Só em fins de 2007 sai a Lei promovendo a separação entre Fisco e Contabilidade e muda-se a Lei das SA para permitir a adoção das normas internacionais de contabilidade do IASB para se conseguir demonstrações mais homogêneas mundialmente e com isso, avançar no processo de globalização, redução do custo de capital das empresas, facilitação negociações globais, inclusive de compra e venda de empresas, de financiamento, de crédito para comércio etc.

Assim, entre 2008 e 2009, a segunda grande revolução contábil que entrou em vigência totalmente a partir de 2010. E daí nasce, em continuação ao antigo Manual, o novo, agora Manual de Contabilidade Societária, agregando-se como autor o Prof. Ariovaldo dos Santos. E, como antes, com grande apoio de colegas professores da FEA e alunos do pós-graduação participando da redação (eu entre eles). Desde o início até hoje, 42 anos de vida desse Manual.

A administração deste Congresso deliberou homenagear esses autores e incumbiu-me de transmitir isso a todos e mencionar a apresentação de dois programas musicais para a comemoração.

Primeiramente, teremos algo diferente. Um professor do Insper, graduado em Contabilidade por esta casa, Doutorado também, mas que fez o Mestrado do outro lado da rua, na ECA – Escola de Comunicações em Artes. E quebrando a tradição daquela Escola, especialista em instrumentos eruditos, defendeu o Mestrado em….. Viola Caipira. O Prof. Eric Martins. E vai nos brindar, para essa comemoração, com a música Chico Mineiro, mas com outra letra por ele feita e com autores participando também. Prestem atenção.

E a seguir teremos o Prof. Sérgio de Iudícibus apresentando, ao piano, um formidável arranjo do Fantasma da Ópera.”

FONTE: PENSAMENTO CONTÁBIL

Mais conteúdo no livro Manual de Contabilidade Societária

newsletter

LEIA TAMBÉM

Tags: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Eliseu Martins
    Eliseu Martins

    Eliseu Martins é Professor Emérito da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, Professor do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP há mais de 40 anos, cofundador da Fipecafi – Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras, Parecerista na área contábil, ex-consultor e ex-conselheiro de inúmeras empresas. Ex-Diretor da CVM (dois mandatos), ex-diretor do Banco Central. Autor ou coautor de diversos livros, entre os quais Contabilidade de custos: exercícios, Manual de normas internacionais de contabilidade, Avaliação de empresas: da mensuração contábil à econômica e Métodos comparados de custeio, publicados pelo GEN | Atlas, além de Manuais de contabilidade e de custos de diversas instituições financeiras. Também participou de capítulos de Comentários à Lei das Sociedades por Ações, de Modesto Carvalhosa, e do livro Código Civil Comentado – Direito de Empresa, de Priscila M. P. Corrêa da Fonseca e Rachel Sztajn.