11 de dezembro de 2020

Isolamento social e a prática Cyberbullying

por Patricia Itala Ferreira

Algo que tem me incomodado bastante nos últimos meses é o que eu considero uma despersonalização, de uma forma geral, e de alguns profissionais, de forma particular, por conta desse período em que estamos vivendo, mais online que presencial. Isso afeta diversas profissões, inclusive os professores.

Tenho lido vários artigos que falam que 2021 será o ano da saúde mental e li, outro dia, uma matéria da Andrea Ramal que trata sobre o burnout que tem impactado a vida de muitos professores. Destaco aqui um trecho “Muitos professores estão sofrendo de bournout, por viverem situação de alto estresse com aulas on-line nas quais os alunos não se conectam ou ficam com a câmera desligada”, destaca a educadora.

A quantidade de vídeos que estão circulando nas redes sociais – tik tok e whatsapp por exemplo- mostrando uma simulação de aula online em que os alunos fingem que estão com problemas de conexão para não participarem ou não realizarem atividades despertou em mim diversas reflexões…

Por mais que muitos aleguem que são apenas brincadeiras acredito que posturas iguais ou similares podem ser consideradas como uma forma de bullying, pois afetam tanto os professores como os colegas de turma que podem vivenciar – de verdade – os problemas técnicos simulados nas “brincadeiras” retratadas nos vídeos.

Assim sendo, acho que cabe refletir até que ponto comportamentos assim representam, de forma intencional ou não, uma forma de violência psicológica tanto com colegas que podem não ter condições financeiras ou equipamentos adequados (e que sofrem com essa situação) quanto com os professores, que acabam submetidos a uma situação estressante e, por que não dizer, humilhante, por conta de atos (“brincadeiras”) dessa natureza.

Outro questionamento que faço é porque vídeos assim, com alunos se divertindo “enganando” os professores “viralizam”. Por que as pessoas querem assistir e produzir vídeos que se divertem às custas dos outros? Diversão é algo que fere, magoa ou ridiculariza alguém?

Hoje eu iniciei a manhã assistindo um filme que abordava o cyberbullying e foi ele que me motivou a escrever esse artigo. Resolvi, então, verificar o conceito de cyberbullying e, entre outros, encontrei esse aqui:

O bullying é uma forma de agressão física, verbal e psicológica que se mostra sistemática e contínua, fazendo com que um indivíduo ou um grupo ataque sistematicamente uma vítima com base em sua aparência ou no seu comportamento, que em geral não está enquadrado no padrão de normalidade estabelecido pelo grupo social. O cyberbullying, por sua vez, é a extensão da prática do bullying do ambiente físico para o plano virtual. (fonte: Brasil Escola, 2020)

Finalizo meu texto com um questionamento: será que o futuro pertence aqueles que praticam o cyberbullying ou aos que ainda são solidários e praticam a empatia? Qual futuro você quer para você e sua família?

Para entender melhor a importância de aspectos verbais e não verbais para garantir uma comunicação mais efetiva, sugiro a leitura de meu livro Comunicação Empresarial. Para entender melhor aspectos sobre bullying no ambiente de trabalho, o assédio moral, sugiro a leitura do meu livro Clima Organizacional e Qualidade de Vida no Trabalho.

Mais conteúdo no livro Comunicação Empresarial

newsletter

LEIA TAMBÉM

Tags: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Patricia Itala Ferreira
    Patricia Itala Ferreira

    Concluiu em 1993 a graduação em Psicologia na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e, posteriormente, em 1997, tornou-se Mestre em Administração de Empresas pela mesma universidade. Há mais de 20 anos atua em projetos de consultoria em gestão de pessoas e educação corporativa. É professora da PUC-Rio, em cursos de graduação e pós-graduação, nas modalidades presencial e a distância. É também tutora da FGV Online e da pós-graduação em Gestão da Educação a Distância na UFF e da pós graduação em educação empreendedora, uma parceria do Departamento de Educação da PUC Rio com o SEBRAE. Autora dos livros Clima organizacional e qualidade de vida no trabalho (GEN | LTC, 2013), Atração e seleção de talentos (GEN | LTC, 2014), Gestão por competências (GEN | LTC, 2015) e Comunicação Empresarial (Atlas, 2016), em parceria com Gustavo Malheiros e do curso online Psicologia Aplicada à Administração (GEN | Atlas, 2018). Finalista do Prêmio Ser Humano da ABRH 2014 e ganhadora da premiação em 2015 e 2016 na categoria trabalhos acadêmicos.