25 de agosto de 2020

Você sabe o que é operar Vendido no Mercado à Vista de Ações?

por Juliano Pinheiro

Como alternativa às estratégias convencionais de investimento no Mercado à Vista de Ações, o mercado de bolsa permite iniciar as operações vendendo ações. Ou seja, eu posso vender uma ação que não possuo, desde que antes do final do pregão eu a compre ou alugue para entregá-la na custódia do adquirente.

O que é operar vendido?

 
O objetivo de operar vendido é obter ganhos antecipando o movimento de queda do preço de uma ação. A ideia é vendê-la “agora”, enquanto o preço não caiu, para comprá-la depois, mais barata.

Nas operações de Day Trade, nas quais a compra e a venda ocorrem no mesmo pregão, é indiferente para a Central Depositária da B3 se a primeira operação foi uma venda ou uma compra. Já nas operações de Swing Trade, operar vendido em prazo superior a um dia exige que o vendedor tome ações emprestadas junto ao Banco de Títulos – BTC da B3, antes de que seja exigida a entrega dos papéis na custódia do adquirente.

Muito importante lembrar que operar vendido não é uma operação que deve ser realizada por iniciantes no mercado de capitais, pois envolvem um grande risco e muito conhecimento do comportamento do mercado. São estratégias nas quais as perdas podem ser maiores que o montante investido.

FONTE: JULIANO PINHEIRO

Mais conteúdo no livro Mercado de Capitais

newsletter

LEIA TAMBÉM

 

Tags: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Juliano Pinheiro
    Juliano Pinheiro

    Juliano Lima Pinheiro É Doutor e Mestre em investimentos e mercado de capitais, professor e palestrante. Ao longo de mais de 30 anos de uma trajetória profissional abrangente, Juliano Pinheiro passou pela vivência prática como executivo em instituições financeiras e gestoras de investimento, como conselheiro em instituições representativas de mercado como Anbima e Apimec, e também pela área de ensino e pesquisa acadêmica atuando em cursos de MBA, doutorado, mestrado e graduação do Ibmec, FDC, PUC e UFMG. De 2007 a 2018, montou e foi o Diretor de Gestão da Fiere Investimentos, uma Gestora de Recursos, gerindo fundos de investimento e administrando carteiras para clientes. Detentor da Medalha Economista Paulo Camilo de Oliveira Pena em 2013, Juliano é referência na área de Mercado Financeiro e Mercado de Capitais. Atualmente é Vice Presidente Executivo do IBEF-MG, leciona na UFMG nos cursos de graduação e pós-graduação do Departamento de Ciências Contábeis e realiza palestras por todo o Brasil.