10 de abril de 2019

Interpretações de índices e reclassificação das Demonstrações Contábeis

por José Carlos Marion

Os índices são relações que se estabelecem entre duas grandezas; facilitam sensivelmente o trabalho do analista, uma vez que a apreciação de certas relações ou percentuais é mais significativa (relevante) que a observação de montantes, por si só. Assim, se a empresa tiver um Ativo Circulante (AC) de $ 396.420 e um Passivo Circulante (PC) de $ 198.210, fica um tanto difícil analisar sua exata capacidade de pagamento. Todavia, se dividirmos o AC pelo PC, encontraremos um índice geral igual a $ 2,00, ou seja, para cada $ 1,00 de obrigação (passivo) há $ 2,00 de Ativo Circulante (dinheiro + valores que se transformarão em dinheiro).

Ressaltamos, entretanto, que o analista deverá tomar uma série de precauções quanto à interpretação dos índices. Muitas vezes, podem dar falsa imagem de uma situação. Vamos admitir que o AC da Cia. Imaginativa seja de 100 e seu P de 50. Se dividirmos o AC pelo PC, obteremos um índice igual a 2,00. Se, porém, a empresa resolvesse pagar 49 de sua dívida, a situação seria a seguinte:

Interpretações de índices e reclassificação das Demonstrações Contábeis

Observe que diminuímos 49 no PC, uma vez que houve pagamentos das obrigações e consequente redução da dívida. Para esse pagamento utilizamos 49 de dinheiro do AC e, assim, reduzimos o caixa da empresa. Na verdade, não houve mudança na situação financeira da empresa. Somente uma redução de 49 do AC no PC (a capacidade de pagamento da empresa é a mesma). Se dividirmos o AC pelo PC, obteremos um índice de $ 51,00, o que não significa que houve melhora na capacidade de pagamento da empresa de 25 vezes, pois a situação é a mesma. Nesse caso, houve uma manipulação, não sendo considerada má-fé.

Outra situação a que o analista deve estar atento é a base utilizada para o cálculo de diversos índices.

Interpretações de índices e reclassificação das Demonstrações Contábeis

Poderíamos dizer que o decréscimo na rentabilidade de X0 para X1 foi de 20%, e que o acréscimo de X1 para X2 foi também de 20%.

Interpretações de índices e reclassificação das Demonstrações Contábeis

Todavia, seria correto tomarmos como base o ano de X0, uma vez que o primeiro cálculo (– 20%) foi realizado com essa base.

Interpretações de índices e reclassificação das Demonstrações Contábeis

Assim, diríamos: houve decréscimo na rentabilidade de X0 para X1 em 20% e acréscimo (recuperação) de 16% de X1 para X2.

Exemplo de interpretação distorcida de índice

 
O gerente da Cia. Lubrificação foi demitido pelo diretor-presidente, pois o lucro da empresa caiu de $ 1,0 milhão para $ 700 mil. O relatório de análise indica um decréscimo de 30%.

Interpretações de índices e reclassificação das Demonstrações Contábeis

Para o ano de 20X3, foi contratado o Sr. Distorce Tudo, na qualidade de gerente. Como “resultado de seu esforço”, conseguiu atingir o montante de $ 910 mil de lucro. O relatório de análise, elaborado pelo próprio gerente, indica um acréscimo de 30% e um parecer do qual consta a “satisfação” em recuperar plenamente o decréscimo do ano anterior. O relatório é elaborado da seguinte forma:

Interpretações de índices e reclassificação das Demonstrações Contábeis

Você concorda com o relatório acima? Como pode o lucro de uma empresa decrescer em 30% e, no ano seguinte, ser recuperado plenamente, em termos percentuais, se em 20X1 o lucro era de $ 1,0 milhão e do ano 20X3 é de $910 mil?

Reclassificação das Demonstrações Contábeis (DC)

 
Significa uma nova classificação, um novo reagrupamento de algumas contas nas Demonstrações Contábeis (DC), sobretudo no Balanço Patrimonial e na Demonstração do Resultado do Exercício. São alguns ajustes necessários para melhorar a eficiência da análise. Por meio de agrupamento de contas nas DC, pode-se melhorar a situação econômico- financeira da empresa fazendo uso de certa “esperteza”. Se uma empresa, por exemplo, dispõe vender um imóvel que até o momento estava classificado no Imobilizado Permanente (Ativo Não Circulante), classificando essa conta no Ativo Circulante, o analista terá que reclassificá-lo.

Classificando-o no Ativo Circulante, evidentemente a situação financeira a curto prazo melhorará. Todavia, não é fácil vender o imóvel e receber no mesmo ano. O ideal seria Realizável a Longo Prazo, não obstante seja menos eficaz no momento de mensurar a capacidade de pagamento da empresa a curto prazo. Nesse exemplo, o analista reagrupa “Imóveis à Venda” do Circulante para o Não Circulante (Realizável a Longo Prazo). Outras vezes, mesmo sendo o contador imparcial no agrupamento das contas, há necessidade de interferência do analista.

É o caso de Receita Financeira, que legalmente é Operacional, mas na realidade deveria estar no grupo Não Operacional. Se quisermos apurar a verdadeira taxa de rentabilidade obtida pela atividade operacional, deveremos reclassificar tanto as Despesas Financeiras como as Receitas Financeiras no grupo Não Operacional.

Mais conteúdo no livro Análise das Demonstrações Contábeis

Gostou de saber sobre reclassificação das Demonstrações Contábeis? Então não se esqueça de assinar nossa Newsletter para receber dicas no seu e-mail!

LEIA TAMBÉM

Tags: , , , ,
  • José Carlos Marion
    José Carlos Marion

    É mestre, doutor e livre-docente em Contabilidade pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/ USP). É professor e pesquisador do Mestrado em Contabilidade na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Dentre os 29 livros publicados na área contábil, é autor de Contabilidade rural, Contabilidade empresarial e Contabilidade básica e coautor de Curso de contabilidade para não contadores, Contabilidade avançada, Introdução à teoria da contabilidade, Contabilidade comercial, Administração de custos na agropecuária, Manual de contabilidade para pequenas e médias empresas, Contabilidade geral para concurso público, Contabilidade da pecuária e Normas e práticas contábeis, publicados pelo GEN | Atlas.