1 de outubro de 2019

Resenha: Por que é difícil fazer reformas econômicas no Brasil?

por Marcos Mendes

Para voltar a crescer e diminuir a desigualdade de renda, o Brasil precisa fazer um amplo conjunto de reformas econômicas: previdência, tributos, mercado de crédito, ambiente de negócios, segurança jurídica, abertura comercial, privatização, políticas sociais e educação. A realidade tem mostrado ser difícil avançar com celeridade e concretizar essas reformas. Logo, o livro Por que é difícil fazer reformas econômicas no Brasil? se dedica a identificar as fontes das dificuldades enfrentadas.

Para tanto, o autor estudou experiências de mais de uma dezena de países que foram bem-sucedidos na missão de transformar suas economias, buscando entender o que criou condições propícias em cada um dos casos.

Detalhes sobre o livro Por que é difícil fazer reformas econômicas no Brasil?

 
A obra cataloga as características que facilitam a aprovação de reformas, que vão desde a dimensão geográfica do país, até a sua estrutura política e constitucional, passando por fatores de coesão social, como nível de desigualdade e violência. A má notícia é que o Brasil não possui nenhuma das características que facilitaram reformas em outros países. Não obstante essas dificuldades “estruturais” para se fazer reformas no Brasil, sempre surgem algumas janelas de oportunidade.

Resenha: Por que é difícil fazer reformas econômicas no Brasil?

Em geral, elas são criadas por crises que mobilizam a sociedade em busca de mudanças. Também abre espaço para reformas o “efeito lua de mel”, que existe nos primeiros meses de gestão de um governante recém-eleito.

Essas oportunidades não podem ser perdidas. Com base no diagnóstico traçado, Por que é difícil fazer reformas econômicas no Brasil? apresenta 20 diretrizes que ajudariam na dura tarefa de reformar a economia e de evitar que políticas equivocadas venham a emperrar o avanço do país em direção à prosperidade.

Confira o sumário do livro:

1 – Introdução

2 – A Necessidade de Reformas

3 – A Dificuldade Para Fazer Reformas

4 – Coesão Social e Reformas

5 – A Dificuldade Para Fazer Reformas no Brasil

6 – O Que Fazer

7- Conclusões

Referências Bibliográficas

Sobre o autor

 
Marcos Mendes

É graduado e mestre em Economia pela Universidade de Brasília. Doutor em Economia pela Universidade de São Paulo. Desde 1989 trabalha no Governo Federal, já tendo atuado na Secretaria do Tesouro Nacional, no Banco Central e no Senado Federal. De 2016 a 2018 foi Chefe da Assessoria Especial do Ministro da Fazenda. Em 2006 organizou e publicou o livro Gasto Público Eficiente: 91 propostas para o desenvolvimento do Brasil (Editora Topbooks). Em 2014 publicou Por que o Brasil cresce pouco? (Elsevier Editora), antecipando a forte crise econômica que se abateria no país a partir daquele ano. É autor de vários capítulos de livros e artigos sobre finanças públicas e questões institucionais brasileiras. Desde junho de 2019 é colunista de Economia da Folha de S.Paulo.

Gostou de saber mais sobre o livro Por que é difícil fazer reformas econômicas no Brasil? Então não se esqueça de assinar nossa Newsletter para receber dicas no seu e-mail!

LEIA TAMBÉM

 

Tags: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Marcos Mendes
    Marcos Mendes

    É graduado e mestre em Economia pela Universidade de Brasília. Doutor em Economia pela Universidade de São Paulo. Desde 1989 trabalha no Governo Federal, já tendo atuado na Secretaria do Tesouro Nacional, no Banco Central e no Senado Federal. De 2016 a 2018 foi Chefe da Assessoria Especial do Ministro da Fazenda. Em 2006 organizou e publicou o livro Gasto Público Eficiente: 91 propostas para o desenvolvimento do Brasil (Editora Topbooks). Em 2014 publicou Por que o Brasil cresce pouco? (Elsevier Editora), antecipando a forte crise econômica que se abateria no país a partir daquele ano. É autor de vários capítulos de livros e artigos sobre finanças públicas e questões institucionais brasileiras. Desde junho de 2019 é colunista de Economia da Folha de S.Paulo.