27 de maio de 2021

Tendências para o e-commerce em 2021

por Sandra R. Turchi

O e-commerce despontou no ano passado e ganhou espaço entre os consumidores, principalmente durante o período de isolamento social, com lojas e shoppings fechados. As vendas no Brasil cresceram 41% e atingiram R$87,4 bilhões na comparação com 2019, segundo dados da Ebit/Nielsen. As projeções de vendas do e-commerce em 2021 são ainda melhores.

As vendas pelo e-commerce amadureceram diante da necessidade dos brasileiros, que se mostraram ambientados com o meio virtual. A maior lição é que os comerciantes conseguiram superar os obstáculos e transformar os desafios em faturamento. Além disso, souberam oferecer um serviço ágil, confiável e eficiente.

Ainda existem gargalos que devem ser solucionados para resolver as dores de consumidores e empreendedores que descobriram na internet um meio seguro e confortável para realizar as suas compras. Um dos principais desafios para as empresas que desejam entrar ou estão com suas vendas no meio eletrônico é melhorar a integração entre o online e as lojas físicas. A tendência é fortalecer esses dois pontos de vendas para que ambos se potencializem, assim é possível proporcionar uma experiência integrada ao consumidor.

Outra tendência que cresceu ao longo do ano passado e que deve vir forte em 2021 é a consolidação das vendas diretas da indústria para o consumidor final. Essa estratégia cresceu devido ao avanço do comércio eletrônico, impulsionado pela diminuição dos custos e aumento da eficiência.

No varejo, a aposta está na comunicação com o cliente e nos novos recursos de tecnologia. Com a expansão e o uso massivo das redes sociais, não se pode ignorar as plataformas como meio de contato com os clientes. É necessário estreitar a comunicação, se aproximando do público-alvo, com uma identidade própria e frequência nas publicações. A interatividade é um conceito fundamental para fidelizar o cliente, por isso, aposte nas ferramentas de busca que oferecem uma nova experiência por meio da tecnologia, como provador virtual, que permite que os clientes provem uma peça sem sair de casa. As buscas por voz também estão crescendo: praticamente metade dos brasileiros já utilizou a tecnologia ao menos uma vez.

Quando falamos de tecnologia não podemos esquecer de citar a Inteligência Artificial. A ferramenta se consolidou entre as empresas que investem em uma comunicação mais personalizada, porém ainda há espaço para que mais lojas apostem nessa tendência. O recurso pode ser adaptado a diversos setores para que as marcas conheçam os potenciais clientes e seus comportamentos de compras. Gigantes do varejo como Amazon e AliExpress, investem na tecnologia de recomendação de produtos com base nas pesquisas e compras feitas anteriormente pelos clientes. É uma ferramenta tão fundamental que está ao alcance de qualquer empresa.

O mobile já é uma realidade entre os brasileiros, ultrapassando computadores e tablets quando o assunto é compras online. A preferência para transações via smartphones está nas categorias de saúde, moda, esporte e decoração. Porém, ainda existem empresas que não possuem um sistema de vendas adequado para celulares. Isso precisa ser para ontem. Por isso, quem tiver uma gestão mobile eficiente tem mais chances de conquistar uma boa parcela do mercado.

Se o seu negócio tiver a oportunidade de oferecer assinaturas, não ignore esse canal. Principalmente, no ano passado, as assinaturas de produtos e serviços cresceram em diversos setores e aparecem como uma tendência para os próximos anos. Muitas empresas estão apostando no serviço, principalmente, as ligadas às áreas de tecnologia, esportes e beleza.

Para o empreendedor não há volta. A internet é um caminho sólido, mas que requer conhecimento e investimento para acompanhar as mudanças que a tecnologia oferece e, principalmente, se adaptar ao comportamento dos consumidores. Só no ano passado, foram 194 milhões de pedidos online no Brasil, um aumento significativo em comparação com anos anteriores. É claro, que os dados foram impulsionados pela pandemia, mas não tem como descartar que essa já era uma tendência que foi antecipada. Por isso, não desperdice essa fatia importante do mercado.

FONTE: SANDRA TURCHI

Estratégias de e-commerce

LEIA TAMBÉM

Tags: , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Sandra R. Turchi
    Sandra R. Turchi

    É sócia-fundadora da Digitalents, empresa de Consultoria, Treinamentos e Talentos (hunting, coaching e outsourcing) focada no universo digital. Administradora de empresas formada pela FEA-USP, pós-graduada pela FGV-EAESP e MBA pela Business School SP e Toronto University. Também cursou empreendedorismo na Babson College. Foi executiva de marketing por mais de 20 anos nos setores de Varejo, Financeiro, Educacional e de Serviços em empresas como Lojas Arapuã, Grupo Zogbi, Finasa-Bradesco, FGV, Associação Comercial de SP e Boa Vista Serviços. Eleita um dos professores de marketing mais influentes nas mídias sociais no mundo pela revista SM Magazine. Leciona nos MBAs em Marketing Digital da FGV, FIA, Saint Paul, entre outras instituições. Coordenadora dos cursos de extensão em Marketing Digital e Mídias Sociais na ESPM-SP desde 2008. Articulista de diversos veículos, como revistas e portais, no Brasil e na Europa.